Revista de anime no Brasil. Naruto elevado ao infinito


Com a popularidade da animação japonesa no Brasil, varias series e filmes fizeram parte da infância de muita gente. Na mesma época com a popularização chegaram as revistas de anime onde assim como qualquer revista tem o intuito de informar o fan de cultura japonesa e de seus desenhos.

Na época era normal falar sobre series como Cavaleiros do Zodiaco, Dragon Ball, YuYu Hakusho entre outros, por fazer parte da nossa grade de programação. E essas revistas conseguiam uma boa popularidade entre esse publico. Porem aos poucos a animação japonesa foi saindo da grade de programação da tv aberta, fazendo em si essas revistas perderem um bom publico.

O intuito dessa postagem é dar minha opinião sobre as revistas de anime que hoje em dia não é tão popular como antigamente, devido a falta da exibição de animes na tv aberta, e a facilidade de obter informação na internet sobre esse entretenimento.

Muita gente deve ter bem mais informação que eu sobre essas revistas de animes, posso dizer que tive poucas revistas desse tipo, era na época que eu comprava manga e hoje em dia não compro mais. Eu comecei a me interessar pelo produto devido ao canal Animax que passava na Tv por Assinatura, fazendo assim eu buscar informação sobre animação japonesa nessas revistas.


Posso dizer que esse período da revista de anime, e do manga durou menos de um ano, ate que esse tipo de entretenimento não me agradou mais. Quando você não entende muita coisa sobre essa cultura é bem normal você ir para as revistas, porem da para perceber que os temas se repetem muito nessas revistas, desde naruto que toda santa matéria tinha, e não ter muita informação sobre o mercado de animes la fora.

Quando eu percebi que o que eu lia na internet tinha muito mais conteúdo e informação que nas revistas eu parei de comprar, e nesse mesmo período parei de comprar manga também devido a pirataria. E nem foi por causa de qualidade, simplesmente é melhor eu gastar num jogo onde vou passar bem mais tempo me divertindo do que num manga que vou passar apenas alguns minutos lendo. Mas isso vai de cada um, cada pessoa gasta naquilo que achar mais conveniente.

Enfim mostro claramente que não gosto de revista de anime no Brasil, acho o conteúdo muito fraco e pouco informativo. Mas vou dar minha opinião e critica em relação as revistas de anime no Brasil, afinal você pode se interessar em comprar para conhecer.


As revistas de anime no Brasil fazem um grande erro que muitas empresas costumam cometer, que é não se adaptar a nova geração. Você criar uma revista onde fala em quase todo volume sobre um anime como cavaleiros do zodíaco, na era da manchete vendia muito bem. Primeiro a informação tinha exclusividade e internet naquela época era um privilegio para poucos.

E ler uma revista que fala dos animes que você esta vendo e falar das futuras novidades que so apareceram no japão é algo muito interessante. Naquele época você usar essa estrategia de venda funcionava muito bem, mas a nossa geração é outra.

Hoje em dia os fans estão lendo essas informações na internet, eles podem assistir as suas series favoritas baixando ou pagando uma mensalidade para o crunchyroll. Esse geração abandonou os animes dublados e a tv aberta, e estão sempre informados sobre o que acontece e o que esta lançando.

Mesmo com tudo isso as revistas continuam com a mesma mentalidade da geração anterior, e continuam pegando aquele anime popular no japão como naruto, e ficam insistentemente falando sobre o mesmo assunto para pegar o publico certo de sempre, sem explorar um novo publico.

Eu não sei em qual revista eu li sobre uma matéria falando sobre o Kodomo no Jikan, onde na revista falava mal da obra dizendo que instigava a pedofilia em si. A maneira expressa na revista dava a entender que aquela obra era a pior coisa do mundo, e quando fui ver a serie não tinha tudo isso que estava escrito na revista.


Não sou fan de Kodomo no Jikan e não é uma serie que acho tão boa em relação a outros materiais com lolis como Strike Witches. Porem você analisar um anime com a visão de um ocidental sem analisar a cultura japonesa sobre esse tipo de obra é errar bem feio. Se você esta falando sobre animes você tem que analisar um anime como uma obra de ficção e não como algo sócio-educativo, essa função é da família e escola.

No final o que poderia ser uma matéria boa para debater o tema de maneira técnica acabou sendo algo feito so para o autor expressar sua raiva e opiniões goela a baixo do leitor. E o pior, deixar de passar a informação sobre a obra e estilo de animação, afinal você esta pagando por aquele conteúdo.

Revistas de anime ja tiveram seus tempos de ouro, mas hoje em dia é um material fraco em informação e continua com a visão pré-histórica de oferecer informação ao seu leitor. Dizem que falam muito de naruto pelo fato da maioria se interessar pelo assunto, onde na verdade eles não querem perder aquele publico certo, com matérias novas.

Essa é minha opinião, qual é a sua sobre revistas de anime no Brasil? Vale a pena ainda comprar essas revistas hoje em dia?

This entry was posted in . Bookmark the permalink.

10 Responses to Revista de anime no Brasil. Naruto elevado ao infinito

  1. Erick Dias says:

    Primeiro, a matéria que você leu sobre "Kodomo no Jikan" era na Neo Tokyo? Lembro de um texto sobre esse anime nela, e havia gostado muito. A série não é tão inocente, porém é bastante modificada, enquanto que a obra original em si é realmente muito polêmica. E discordo sobre analisar um anime ou o que for somente pelo seu material; algumas obras exigem uma crítica mais completa, de acordo com a importância dela na época em que foi lançada, suas inspirações, consequências etc...

    ...

    Mas enfim, post muito interessante, revistas de animes no Brasil estão de fato um tanto fracas. Eu ainda as compro, nem pelo lado informativo, pois muitas vezes elas já chegam nas bancas desatualizadas, mas apenas para ter algo concreto a respeito do meu hobby. Queria abordar em particular as três que compro atualmente, mais uma que foi de longe a melhor que já existiu, mas infelizmente morreu com somente 14 edições...


    Neo Tokyo: compro só quando a capa me interessa, por conta de algum anime que gosto. A revista passou por uma reformulação recente, e, pelo menos no visual, está lindíssima; mas o conteúdo deixa a desejar =F. Diversos erros de ortografia, digitação e concordância é o de praxe, nem é o maior problema. A questão é a qualidade dos textos mesmo, repletos de lugares comuns e opiniões rasas, com raras exceções (dá para perceber que são mais detalhados na hora de falar principalmente de animações mais antigas). É inegavelmente voltado para quem tem cerca de 15 anos, por aí.

    Além disso, há o atraso quanto aos animes resenhados: eu posso postar no meu blog ou alguém fazer o mesmo no seu a resenha de um anime recém-acabado duas semanas atrás, enquanto que na revista você passará a ver textos sobre animes de 2011 nas edições de 2012 por exemplo, e olhe lá, falando deles como se ainda fossem novidade. Sem contar o bombardeio de matérias a respeito de "Naruto" e "CDZ", com "One Piece" em terceiro lugar. Entendo a ideia de fisgar o público dessas séries populares, mas 11 edições seguidas com um ninja laranja ou seus amigos na capa é demais...



    Anime DO: da mesma editora, logo tem alguns colaboradores em comum. Essa compro todo mês, por conta do preço, mas aqui acho os textos levemente mais atrativos. Também sofre do mal de Naruto e CDZ em toda capa...


    Clube do Anime: a salvadora, é novinha, tem umas dez edições por enquanto. É pequena mas bem mais carinha do que a Anime DO, e Naruto quase não sai de cena mesmo sendo em menor grau, porém os textos são muito bem escritos e informativos, algo realmente mais maduro. Eles saem da "zona de conforto", e muitas vezes fazem matérias que fogem do padrão visto nas outras. Único problema é a periodicidade: até hoje não descobri de quanto em quanto tempo ela sai, só a vejo de meses em meses na banca. Sequer no site de sua editora consegui alguma informação exata...


    Agora, nenhuma delas chega perto da "Animation Invaders", que era publicada pela editora Europa. Textos criativos, informativos, arte própria (não era apenas um copiar e colar de imagens pegas na internet)e preço acessível. E, olha só, de 10 das 14 edições que consegui comprar - na Liberdade, bairro de São Paulo, ainda é possível acha-la -, 8 não tem Naruto na capa! Era bem diversificada mesmo. Só sofria com informações desatualizadas, graças à internet e a demora de se montar uma edição, contudo compensavam isso com ótimos artigos.

    Morreu após 14 edições, uns quatro anos atrás, e por muito tempo ficaram falando que a revista passaria por uma reformulação (por quê?!) e retornaria em breve. Diziam que faltavam um diagramador, ou faltava isso ou aquilo, e foi, foi... E nunca mais voltou. Talvez o esforço para fazê-la não valia a pena? Chego a pensar que essa é a razão...

    ...


    Então, post grande =d. Neo Tokyo é a mais popular e queridinha, porém está longe de ser boa. Se uma nova Animation Invaders é impossível, desejo apenas que continue e surjam outras como a Clube do Anime. É barata, pequena e bem feita, já basta.

  2. Fingerstyle says:

    Parabéns Muito bom o Post , concordo com você, as revistas hoje em dia já não são tão informativas como antigamente, ja que hoje podemos pesquisar se quisermos, e antes não. entendi, muito obrigado.

  3. Gi says:

    É exatamente como você disse. As revistas hoje em dia não passam disso, e realmente não vale a pena gastar dinheiro com algo assim.
    Lembro que uma certa vez comprei uma e, ironicamente, tinha Naruto na capa, informação sobre cosplay, e um artigo sobre Cavaleiros do Zodíaco.
    Se tivesse algum tipo de variedade seriam perfeitas (meu sonho é que lancem algo ao estilo da Sho-Comi)!

  4. Sascha says:

    O pior são as materias desatualizadas segundo o calendário de lançamentos nacional!!! já vi matérias compradas sobre lançamentos que já estavam na metade, e olha que revistas como a NT chegam em dia aqui no estado e os mangás com 4 meses de atraso!!!!

  5. Lightning says:

    O Brasil tem o problema se achar que Anime deve ser coisa de criança e que outros públicos não seriam bem alcançados com desenhos na TV. Dúvido que não mudaria alguma coisa se no ''Bom Dia e Cia'' começasse a passar Steins;Gate, Gosick, Clannad, Legend of the Galactic Heroes etc. No lugar de Ben 10 e cia. Além de um horário que não fosse acessível só a vagabundos ou a quem está de férias.

    Nada contra Animes dublados (desde que a dublagem seja no mínimo decente). Mas o Brasil pegou modinha de Battle Shonen, é só isso de Anime dublado que mandam pra cá.

    Tenho certeza que muitos escritores possuem um conhecimento mais vasto a respeito da cultura japonesa, mas eles precisam seguir o rumo que o país traçou. Ou pelo menos acham que precisam.

    Sinceramente falando? Sempre odiei Dragon Ball Z e GT (por favor, não incluindo o DB clássico) e os Battle Shonens cheios de clichês vindos dele (Naruto, One Piece, Bleach [esse é até melhorzinho], Fairy Tail etc). Alguém tem que colocar na cabeça dessa gente que Anime não é só porrada, poder da amizade, vamos lutar por nossos amigos, protejer nosso planeta e blá blá blá. Já estou cansado disso a MUITO TEMPO.

    E como comentário final, Brasil ama de paixão copiar tudo que vem dos EUA, muita merda mas também muita coisa boa, como Two and a Half Men, Big Bang Teory, Dr. House, C.S.I etc. Por que não copiam logo as coisas boas do Japão?

  6. Cris says:

    Ótima post, parabéns

    Eu igual muitos também fui comprador de revistas sobre animes, e mesmo quando comprava sempre me incomodava como as matérias costumavam ser tratadas de forma rasa. Naquele tempo não tinha PC então minha forma de conhecer novas obras era somente por lá, mas depois que tive um e comecei a ler informações pela net, abandonei completamente as revistas.
    Que não se tem modo de manter uma revista que sai mensalmente no mesmo nível de atualização de muitos blogs/sites de animes/mangás é obvio, mas isso não desculpa para fazerem matérias superficiais de muitas séries que abordam nessas revistas, pelo contrário, deveriam já que não tem como ganharem na questão de informações atualizadas, investir em fazer analises mais profundas das séries abordadas. Ao invés disso, fazem matérias que parecem um copiar/colar de informações da wikipédia.

    Do assunto de sempre Naruto (ou outra série da moda) até entendo o intuito de se usar essa imagem em capas para atrair compradores de modinhas, mas isso não justifica ficarem usando matérias repetitivas ou idiotas (ainda me lembro (só não lembro qual revista) em que fizeram como se fosse o Naruto respondendo perguntas (de primeira série) sobre a história dele, e isso naquele nível como se estivessem fazendo para criancinhas que de fato acreditam ser o personagem falando. Sério, era deprimente.

  7. LiosX says:

    Aqui no Brasil existe muito preconceito com relação aos animes, Que para mim é impossivel passar novos anime no canal aberto devido as pessoas acharem que anime é coisa para crianças e acham que o anime influência a criança e adolecentes. Não adianta reclamar mas os anime de hoje em dia nunca passarão no canal aberto e nem no canal fechado por causa do preconceito da boa parte dos Brasileiro, e bota religião que tambem estar no meio disso.

  8. Não me interesso muito por esse tipo de revista, então nunca comprei. Bom, quando era mais novo eu comprava a revista de Pokémon, mas só isso.
    Mas acho que grande parte do problema é o fato de que o número de animes que chegam no Brasil é limitado. Claro, sempre tem a opção de ver pela internet e etc, mas não dá para lançar uma revista dizendo "vamos comentar sobre a série tal que está passando no Japão, se quiser assistir é só procurar uma cópia pirata". Claro, dá para mostrar as novidades, séries que estréiam, gêneros mais populares, etc... mas não dá para fazer matérias a respeito. Enquanto os animes que estão "disponíveis" para o grande público forem só esses, é isso que tem para as revistas cobrirem. À medida que for mudando é que se torna possível abordar os animes de nicho, os vários públicos alvo, etc.

    E, no nosso caso enquanto jogadores de VN, muitos dos animes que nos interessam não são apropriados para revistas "all ages" - mesmo que não tenham cenas H propriamente ditas, não costumam ser animes para crianças e adolescentes (imagina se uma dessas revistas decide fazer uma matéria sobre Chaos;Head e um monte de crianças decide assistir? xD).

  9. Felipe Pereira says:

    Gostei bastante desta postagem, pois remete muito bem ao que acontece no país em relação ao "estereótipo" da Animação Japonesa e de seus fãs (aliás, achei legal o comentário sobre Kodomo no Jikan...eu gosto da série e acompanho o Mangá.....hehe).

    A problemática em relação às revistas que exibem Naruto sempre na capa (principalmente as não-profissionais) tem relação com uma tentativa de "chamar a atenção" do público-alvo, que são as crianças. A turminha que conhece isso por "desenho" e só assiste pelo SBT (na verdade, há muitas discrepâncias e más-interpretações sobre a série em si, pela maioria das pessoas e até por alguns Otakus, que consideram a produção de Masashi Kishimoto apenas como uma "modinha" infantil, o que não é verdade, pois "Naruto" ganhou consistência, e se tornou um Anime muito bom e maduro, principalmente após o início da fase Shippuden. Essa questão da tentativa de atrair o público infantil por exibir Animes "da moda" na capa não tem origem em total incompetência dos autores (a verdadeira vontade deles é vender), mas em razão de algo muito mais antigo e complicado...:

    A história de "castração" dos Animes no Brasil e no resto da América Latina vem desde os insuperáveis clássicos, como Saint Seiya e Dragon Ball (que sou muito fã). Todas as séries passaram por censuras, edições sem sentido, cortes, dublagens modificadas e mais golpes de faca que praticamente mudaram o enredo da estória destas. Isso transformou a cultura Otaku em algo considerado como para "criancinhas" e "adultos imaturos". O velho estereótipo do Peter Pan que nunca cresce.

    Mas o pior ainda estaria por vir...o verdadeiro "Fatality" para os fãs da Animação Nipônica ocorreu quando se iniciaram os movimentos da hipocrisia. Começaram as babaquices sobre os "desenhos e jogos que pode influenciar as crianças e jovens a se tornarem impulsivos, cruéis e violentos". Aí vieram matérias televisivas tendenciosas, publicações de revistas religiosas nos chamando de satanistas, "especialistas" fazendo análises totalmente idiotizadas, e por fim, tentativas LEGAIS de censurar nosso escape da sociedade americanizada em que vivemos.

    Ora, porque será que temos que aturar o pseudo-culturalismo Ianque em nossas vidas diariamente com filmes ostentando armas, guerras, explosões e "heróis" objetivados a "defender a América" (E.U.A)? Por que será que temos que ser torturados com pornografia barata em Reality Shows da Globo? Por que será que nossos cérebros precisam ser recheados de futilidade e música torpe, que promove a alienação e bestialização das pessoas com mensagens totalmente idiotas e fantasiosas?

    PORQUE SERÁ que essas pessoas são "normais e maduras" e nós não? Porque o filme sangrento americano não pode influenciar a cabeça de um indivíduo tanto quanto um Anime? Porque uma música estúpida falando de um Camaro amarelo não é capaz de transformar um cara num deslumbrado, como hipoteticamente, um Jogo pode transformar?


    NÃO FAZ SENTIDO.


    Ainda hoje convivemos com esse tipo de tratamento, mesmo conquistando grande presença no mundo Ocidental...os "Anormais", os "Criançolas". É por isso que se nada mudar em atitude, continuaremos a ter que se contentar apenas com Shounens em horários horríveis (é, estou falando da Band e da Rede Bobo), cheios de cortes e mal-implementados. Afinal, os "garotinhos de 8 anos que assistem desenhos de manhã" (público-alvo das emissoras)que hoje já pensam em Funk e sacanagem nessa idade não podem ver um cara tomando um soco.

  10. Anônimo says:

    Pessoal,
    Achei as edições para baixar no site Ilustração de Ideias - http://ilustracaodeideias.com.br/revista/revista-animation-invaders/
    o/

Leave a Reply