Reclamação de feministas em games tem sentido?


Não é um dos temas que acho interessante falar, afinal pra mim ficção é uma coisa e realidade é outra. Mas tirando essa minha opinião formada, decidi ver a discussão por um ponto de vista diferente. Em jogos ou animes as mulheres conseguem se identificar com as personagens femininas que estão presentes em determinado jogo ou anime?

Lembrando que essa é apenas minha opinião num ponto de vista masculino, caso queira expressar sua opinião pode fazer isso nos comentários onde isso vai alimentar o debate. Nunca me importei em qual público alvo jogo X era feito, desde que o jogo me agradasse já estava de bom tamanho. Porém como todo mundo tem sua forma de julgar, anda surgindo uma discussão até chata na internet sobre machismo nos jogos.

Onde a reclamação por parte do lado feminino é que as mulheres dos jogos são muito estereotipadas, onde faz que elas não se identifiquem com a personagem. Nem vou citar o caso Anita Sarkeesian que fez um documentário sobre esteriótipos nos games e simplesmente tratou o caso de maneira bem sexista.


Sabemos que inicialmente a indústria dos jogos foi feito mais para o público masculino. E que hoje o público feminino está bem mais presente no mercado que no início. Então não é surpresa em ver grupos feministas falando mal de vídeo games, afinal falam que Rei Leão é machista, imagina com jogos.

Quando vejo grupos muito extremistas como feminismo, vegetarianos, universal e cia. Nem levo a sério. Vejo muita reclamação e pouca diversão. Hoje em dia as pessoas reclamam mais que jogam. Sabemos que mulheres estereotipadas não se resume a jogos, isso tem no cinema, livros, quadrinhos e por ai vai. Antes de mais nada não vejo problema em esteriótipos em jogos. Jogo é ficção se queremos realidade é melhor assistir Datena em seu helicóptero gritando " Ei, focaliza a câmara ali no ladrão de calcinha".

Da mesma forma que mulheres são estereotipadas, isso não é diferente com personagens homens. Qual homem se identifica com Kratos por exemplo? E com personagens homens no geral dos vídeo games que andam sem camisa mostrando os músculos definidos que nem o lobinho do Crepúsculo.


Esteriótipo esta ai pra vender, afinal erotismo e sexo vende em ambos os públicos; tanto o masculino quanto o feminino. Porém nos jogos essa reclamação esta mais direcionada ao sexo, do que a história e jogabilidade. Apesar que o próprio público feminino busca jogos pra jogar. Afinal não gostou joga outro jogo simples assim.

Porém temos que ter personagens femininos onde as mulheres se identifiquem. No momento é difícil apesar que temos jogos que tem personagens fortes como em: Metroid, Remember Me, Final Fantasy. Jogos de RPG como Pokemon, Skyrim entre outros onde da para criar personagem feminino e masculino, além de se identificar com eles.

Como disse inicialmente não concordo muito com a visão feminista sobre os jogos. Porém todos tem direito de se manifestar, mas também da o direito de eu não concordar. Não sei como o público feminino vê os jogos, isso eu não tenho como dizer.


Mas antes de mais nada jogo é ficção e como ficção não pode ser levado a sério. Porém a critica feminista em relação aos jogos é um bom sinal. Isso mostra o poder de consumidor que as mulheres representam, e não duvido que surjam no futuro jogos feitos para mulheres com esteriótipos que agradam as mulheres, afinal já tem no cinema.

Esse blog tem como foco falar de jogos japoneses. E como sabemos no Japão, jogos feitos para determinado público é algo completamente normal: tanto em jogos quanto em desenhos, quadrinhos, filmes e até na pornografia. Da mesma forma que tem jogos para o público feminino com esteriótipos feito para esse público. Para o público masculino funciona da mesma forma.

Ai você diz que ter jogos para o público feminino assim no ocidente é algo que esta fora de nossa realidade. Não esta tão fora assim da realidade. De acordo com "The Entertainment Software Association" 45% do público gamer é constituído de mulheres, ou seja tem um bom mercado aí. A única coisa que falta é interesse de pegar justamente esse público. Eu acho mais fácil um grupo indie fazer um jogo feito exclusivamente para o público feminino do que uma empresa já antiga no mercado.


Não precisamos ter personagens femininas fazendo o papel de homens, como a princesa que salva o príncipe, a mulher que se vinga de quem matou seu namorado, mulher brucutu que mata um exercito sozinho. O que precisa é fazer bons jogos, que agradem a necessidade desse publico. Não precisa ter uma mulher masculina para salvar o mundo.

Da para aproveitar o melhor da personagem usando suas limitações e seus pontos fortes no jogo. Também da para arriscar em fazer jogos feitos para o publico feminino, afinal o publico esta mais forte que nunca. Minha única critica ai, é julgar o jogo como se a historia expressa la foste a maneira que o desenvolvedor ve as mulheres, ele esta justamente fazendo uma historia e desenvolvimento que va dar para agradar a grande maioria de jogadores e que va dar lucro a empresa, simples assim.

Falar de um assunto de sexismo em games é algo que vai longe. Aposto que cada pessoa tem seu ponto de vista em relação ao feminismo nos games. Caso queira expressar sua opinião é só comentar abaixo e ajudar a alimentar o debate.

This entry was posted in ,. Bookmark the permalink.

11 Responses to Reclamação de feministas em games tem sentido?

  1. Nanda-Chan says:

    Nunca cheguei a ver machismo nos games,entao nao acho as criticas feministas tem algum sentido,em questao de mostrar vulgaridade como fala no post,e presenciei em ambos os sexos,se bem que ultimamente estou me identificando em personagens ate de algums visual novel,e ate outros tipos de games,mais acho bom eles começarem a se desenvolver mais ao publico feminino que bem crescido muito ultimamente

  2. Esquálido says:

    O problema não está nos games. É um comportamento universal, presente em todos os animais do mundo, que o macho se interessa mais pela fêmea do que a fêmea pelo macho. Então isso se reflete em games, filmes etc. Colocar personagens mais femininas atraentes ou que estejam em apuros atrairá homens pelo seu próprio instinto selvagem e não é fazendo uma mulher salvar um homem que essa situação será resolvida. Acho até bastante interessante essa discussão, pois ela mostra que precisamos de jogos elaborados, que não é botando um rostinho bonito que vai alavancar as vendas. Precisamos mais de jogos onde o importante era apenas se divertir como nos velhos tempos onde nem sequer sabíamos o nome ou sexo do protagonista e de jogos bem elaborados que não sejam famosos apenas por abusar de erotismo mas sim por serem bem elaborados. Mas veja por um lado essa discussão tola só mostra como os jogos hoje já são tão reconhecidos, ou talvez até mais, que os filmes!

  3. Ana Beatriz says:

    Caro John, você parece ter uma opinião péssima sobre o feminismo, o que é realmente uma pena pois o feminismo é um movimento muito legal.

    Você fala sobre a não necessidade de termos mulheres-macho. Mas afinal, o que é ser masculino e o que é ser feminino? Essas são construções criadas pela sociedade. Não acredito em nenhum valor intrinsecamente masculino ou feminino, isso é uma imposição da sociedade.

    E por falar em imposição da sociedade, apresento a você o conceito de esteriótipo de gênero: expectativas sobre o comportamento de uma pessoa baseada no seu gênero. Veja bem que gênero é diferente de sexo biológico. Gênero é a construção social atribuída a uma pessoa baseada nos genitais com os quais ela nasceu. Ou alguém aqui acha que mulheres sendo raptadas o tempo todo nos videogames, quadrinhos, filmes, livros e etc e talz é um fator biologicamente determinado?

    Enfim, pra aqueles que são cegos e não vem o tal do machismo nos videogames, lhes apresento a série "Tropos vs Mulheres em Video-games"
    http://www.youtube.com/watch?v=X6p5AZp7r_Q

    Um exemplo clássico de machismo: mulheres sendo representadas como criaturas frágeis, fracas, incapazes de salvarem a própria pele em uma ampla gama de jogos e pouquíssimos jogos com mulheres sendo protagonistas e contradizendo esse papel. Outro exemplo: mulheres sendo hipersexualizadas nos jogos não por que elas são pessoas que desfrutam da sua sexualidade, mas unicamente para agradar os fetiches sexuais do público masculino.
    Mais outro exemplo: mulheres sendo brutalmente mortas apenas para servir de trampolim motivar da história do protagonista masculino. O contrário quase nunca acontece.

    Em sua contraparte, os homens são retratados quase sempre como pessoas fortes, capazes, que quando tem um problema vão lá e resolvem.

    A culpa disso não é dos videogames em si, e sim dos produtores, desenvolvedores, diretores dos jogos ( que em sua maioria homens) que desprovidos de um senso crítico mais apurado, estão sempre a reproduzir os esteriótipos mais nocivos do papel feminino. E eles fazem isso por que vivemos em um mundo ainda essencialmente machista. A desconstrução desse mundo e essa mudança passa pela consciência do problema. Assim para mim, uma feminista, essas críticas fazem todo o sentido.

  4. Anônimo says:

    Mas é assim mesmo né, são coisas que dao lucro.. se colocar uma garota bonita e inocente em perigo, e um protagonista fortão pra salvá-la, pronto, as vendas do game sobem para os céus. E com os jogos japoneses isso se agrava, pois lá no japão, ser machista é algo bem normal. Eles ainda acham que a mulher tem que esquentar a barriga no fogão e esfriar no tanque. E isso se reflete nos games tambem. Vejo isso em algumas visual novels até, onde as garotas são inocentes, frágeis e bonitinhas, e o garoto se aproveita delas (isso tanto em harem quanto em harem reverso.) Mas como eu disse, no Japão, o machismo é algo normal. E eles fazem os games visando primeiramente o público japonês. Mas vale lembrar que toda regra tem sua exceção: um exemplo é UtaPri, em que a protagonista é inocente e frágil e tal, mas ela tem um papel importante na história, porque sem ela, os Starish não teriam se juntado, e os 7 garotos seriam um bando de zé ninguém. E em Silent Hill 3, a Heather é a heroína. E em Chaos;Head as garotas são mais macho que o protagonista LOL e vale citar o anime Aku no Hana.. Em que a Nakamura tem muito mais atitude e força do que o bosta do protagonista. E o anime de Black Lagoon: Não preciso nem comentar né? Enfim, sempre vao haver os jogos com estereotipos, por ser algo normal no país de origem, ou para dar lucro mesmo. Mas para quem não gosta disso, pode se contentar com as exceções, os jogos que nao tem isso, estão por aí em toda parte, basta procurá-los.

  5. Anônimo says:

    claro, vejamos: Feminismo promove o que? igualdade social.

    então o nome já está errado, era pra ser um grupo procurando igualdade social, e não feminismo.

    depois, vai fazer um jogo, será quem cria o jogo pensa que a mulher é uma merda, merece ser subjulgada e que não tem raciocínio? pelamor de deus.
    O feminismo está mais presente do que o suposto machismo na sociedade.

    Se os jogos tem publico alvo masculino, claro que vão botar mulheres atraentes.

  6. Anônimo says:

    Um ótimo tema que foi colocado agora vamos ver segundo os os dados ali 45% do publico são mulheres um parcela realmente grande para se ignorar, o maior problema com relação a produção de jogos que não tenha essa "temática machista", como o publico antigamente era predominante os homens, as produtoras já sabem como agradar o publico com historias e tramas desenvolvidas, então eles variam de algumas formas as protagonistas mas mantém uma certa forma(geralmente eh uma mulher bonita), para que as pessoas se apaixonem pela personagem e gostem da historia que vai se desenrolar, como já foi dito tem vários jogos aonde a protagonista eh que tem o foco como em metroid.

    Agora o problema na visão do desenvolvedor: diríamos então que os 55% sobrando são a população masculina que já tem sua preferência de jogos,
    já sabemos do que essa maioria gosta,mas decidimos fazer um focado pra outra parte dos consumidores,mas como exatamente deve ser o jogo,ou seja do que as mulheres desejam ver na protagonista, por exemplo, talvez você não goste da protagonista sendo raptada,ou ela querendo vingança e coisas assim, mas o fato eh que a opinião entre as próprias mulheres esta dividida então fica difícil criar um jogo para um publico aonde umas vão aprovar aquele modelo de protagonista e outras não, o fato e que dentro desse grupo dos 45%(não vou nem comentar que grande parte disso eh de jogos de facebook que são de empresas geralmente menores)tem uma opinião dividida dos seus gostos então fica muito difícil realmente fazer um jogo com o publico alvo as mulheres pelo motivo de não saber o que elas vão querer da protagonista, diferentemente do publico masculino aonde jogos como assassins creed são sucesso garantido.

  7. Anônimo says:

    só uma outra coisa que lembrei agora de falar, uma prova da divergência dessas opiniões é só vc dar uma olhada em um dos best-sellers da atualidade , o 50 tons de cinza fez um grande sucesso pelo menos em numero de vendas, enquanto provavelmente tem mulheres que odeiam esse fato de dominância do homem pelas estatísticas deve ter algumas que gostam, e não vem problema em aparentar ser o "sexo frágil".

  8. Ana Beatriz says:

    "Então o nome já está errado, era pra ser um grupo procurando igualdade social, e não feminismo."

    Caro anônimo, prefiro pensar que você é desinformado ao invés de um idiota com má vontade. Vamos lá esclarecer a sua dúvida:

    "O nome feminista é sexista! Se vocês lutam por igualdade, por que não se chama humanismo?"

    ‘Xô te dizer o que é sexista: se incomodar com um nome só porque ele faz referência a algo feminino. Porque temos todo um idioma contaminado pelo machismo, com palavras depreciativas exclusivas para mulheres e com o masculino como norma, mas isso não parece incomodar muita gente, né? Aí você vem dizer que o nome de um movimento de MULHERES pelo fim da opressão contra MULHERES não deveria se chamar feminismo?

    Essa implicância é só mais um reflexo do machismo: ficar incomodado quando mulheres ganham evidência, mesmo quando é em um pedacinho da palavra. Quer dizer, a gente já luta por espaço na política, no trabalho, na sociedade… e tem que lutar pelo nosso espaço até em uma palavra. Isso só mostra o quanto o feminismo é necessário – e faz todo sentido se chamar “feminismo”. Lide com isso.

    Para finalizar, feminismo não se chama Humanismo pelo mesmo motivo que não se chama pão de queijo ou Hello Kitty: porque é OUTRA coisa. Humanismo é uma doutrina filosófica centrada no ser humano, em oposição ao sobrenatural, a deus e a metafísica. Então vamos deixar de ser tontos e parar de querer chamar bicicleta de pterodáctilo? Vamos.

    Retirado do FAQ Feminista desse blog aqui ó: http://www.alinevalek.com.br/blog/2013/06/faq-feminista/

    Sobre o 50 tons de cinza, minha opinião pessoal: acho um livro nojento que repete aquela velha ladainha de que a fórmula da felicidade é casando com um homem rico, e daí que ele é meio psicopata, possessivo, e me dá umas chicotadas? Ele é bilionário!!!!!!!

    Mas falando mais sério: o feminismo é contra a opressão contra a mulher. E opressão inclui ser obrigada a fazer coisas na cama que ela não quer. Se na história a protagonista leva as chicotadas de livre e espontânea vontade, no ponto de vista do feminismo que prega que a mulher é dona do seu próprio nariz, corpo e vagina e faz com eles o que der na telha, está tudo ok.

    E sobre estar de acordo com um modelo mais tradicional de ser mulher. O feminismo não é contra você querer ser só dona-de-casa, querer ser o "sexo frágil" e etc. O feminismo é contra esse modelo ser a única opção de vida de uma mulher.

  9. Acho legal e necessário o movimento feminista, pois é apenas um equilíbrio ao machismo existente em grande parte dos homens, que pensa que o ideal é ser igual ao ator porno, que domina tudo, que pega a mulher pelo pescoço, bate e joga ela na cama p/ fazer o que quiser. E isso envolve 90% dos homens.
    Só que é meio difícil levar a sério um movimento que até a maioria das mulheres vão contra isso (até as próprias feministas), pois quando saem com o namorado acham que ele tem a obrigação de pagar, que quando vão à uma entrevista de emprego vão com o maior decote e com a saia mais curta, quando os próprios blogs sobre sexo e erotismo as próprias mulheres que se dizem modernas, ensinam a mulher a ser submissa e o homem dominador, e o mais importante, a mulher quer acabar apenas com a parte que convém acabar do machismo, a parte que ela sai ganhando tudo bem, e isso não acontece, é como se fosse um combo um está grudado no outro pq partem do mesmo conceito.

  10. Anônimo says:

    Do meu ponto de vista o Feminismo é um modo de rebaixar o machismo com palavras

  11. Fragata says:

    "Esteriótipo e gênero" ???

    Então se o cara nasce homem, com culhões entre as pernas, eu ainda tenho que ficar na expectativa dele ser homem ou mulher?? Meu, cada coisa que inventam hoje em dia xDDD

Leave a Reply