A maldita ostentação do vídeo game.


O vídeo game foi o entretenimento que se popularizou de uma maneira muito positiva ao longo dos anos, não é a toa que hoje em dia qualquer um sabe o que é um jogo. Afinal um jogo pode estar em praticamente tudo, desde um console de mesa a portátil, chegando até os PCs, tablets e smartphones.

A dificuldade em se obter um jogo é bem mais tranquila em relação a 10 anos atras, principalmente agora que tem empresas que fazem jogos leves para pegar a grande massa, alem de termos os emuladores para quem não aproveitou tal geração do vídeo game. Mas como todo entretenimento que se populariza, costuma surgir certos comportamentos na sociedade, onde muitas vezes podem ser bem bobos se analisarmos bem.

O que vejo acontecer muito no vídeo game hoje em dia, é o que vejo acontecendo nessa geração dos smartphones, a tal da ostentação. Sendo o mais breve possível, a ostentação seria basicamente mostrar que tem domínio de tal propriedade material, e demonstrar para o mundo que tem posse daquilo. Tipo você ter o iPhone, afinal não é qualquer um que consegue ter um iPhone. E isso não é algo que só se resume a celulares, isso vai desde carros, produtos de luxo, roupas e agora o vídeo game.


Muitas vezes o cara compra um console como o PS3 e só compra dois jogos: Fifa e Battlefield. E fica indo em portais de noticia falar dos jogos que tem, e criticar todos os outros jogos que ele não tem e não faz seu perfil (futebol e fps). Ele tem seu PS3, e fica falando bobagem do Xbox 360 e o povo do Xbox 360 fica falando bobagem do PS3. Mas o povo sonysta e caixista brigam por um simples fato: eles querem ostentar que o seu console é superior e não se os jogos divertem eles.

O mesmo acontece com o PC Gamer, que fala que vídeo game é uma droga, só por que não tem a mesma potencia de seu computador Alienware de R$ 8,000. O que acontece com o publico de gamer hoje em dia é o mesmo que acontece com o consumidor de smartphones. Aquilo que servia apenas para brincar e era visto como um brinquedo, agora ganhou um valor. E esse valor é muito usado para demonstrar status, e o mais triste é que as empresas sabem disso e se aproveitam do mesmo.

Em vez de demonstrarmos jogos com melhor jogabilidade, hoje em dia o marketing é o jogo ter gráfico poderoso, para você mostrar aos seus amigos o poder de seu brinquedinho. O grande publico é influenciado pelo status da coisa, e nem se preocupa muito se os jogos apresentam uma melhor jogabilidade e diversão. O mais importante é que o jogo tenha mais poder gráfico e que o mesmo possa floodar a timeline do twitter e facebook com aqueles achievements inúteis que não agregam valor nenhum, e que só servem para fazer a propaganda que você tem um jogo de determinado console.


Será que estamos esquecendo o mais importante de ter um vídeo game, que é pelos jogos e não pelo poder do aparelho? Isso me faz lembrar de discussões que eu via a respeito do PS Vita, onde o mesmo é um console portátil da Sony que não se deu bem e tem poucos jogos.

Mas afinal o que seria "poucos jogos" para o PS Vita? Seria poucos jogos para determinado consumidor adquirir ou poucos jogos em relação aos concorrentes? Na minha opinião o PS Vita é um console portátil que quis oferecer jogos de console de mesa num portátil, onde ao meu ver um console portátil tem que oferecer jogos portáteis, se é para jogar jogos de mesa a experiencia vai ser melhor num console de mesa.

E foi essa uma das táticas do PS Vita fizeram muitos jogos que já tinham no PS3 irem para ele. Mas mesmo assim tem uma gama de jogos que você pode jogar no console portátil, principalmente para você que prefere jogar num portátil e não num console de mesa. E tem bons jogos de RPG para o portátil que valem a pena serem jogados.


Em relação aos concorrentes o PS Vita tem poucos jogos, mas não vejo coerência em falar que tal console tem poucos jogos, faz parecer que você vai comprar a maioria dos jogos que lança, onde na maioria das vezes você só compra no máximo 10 jogos para o seu console, ou apenas um jogo de futebol.

Essa geração gamer olha muito reto, se olhar para os lados você vai ver bons jogos que você não jogou e que agora tem a possibilidade de jogar. Ficar só vibrado nos lançamentos e esquecer o que pode ser adquirido agora, vai fazer você perder boas horas de diversão, principalmente se você gosta de J-RPG. Não me considero um retro-gamer, pra min esse rotulo é desnecessário, não exitem jogos velhos, só existem aqueles jogos que você ainda não jogou.

Enfim, qual sua opinião sobre a ostentação pelo vídeo game? Você acha que deixamos de lado a diversão dos jogos e nos focamos mais em possuir tal console, ou isso não acontece nessa geração?

This entry was posted in ,. Bookmark the permalink.

9 Responses to A maldita ostentação do vídeo game.

  1. E eu aqui esperando TESO...

  2. Anônimo says:

    Bom para dizer a verdade eu não sei dizer se a maior parte das pessoas focaram mais em possuir tal console. A unica coisa que posso dizer é que eu não deixei de lado a diversão dos jogos e concordo não exitem jogos velhos, só existem aqueles jogos que ainda não jogamos.

    Claro vai ter sempre aqueles que iram ficar contra mas acho que estes estão perdendo muito tempo alem do verdadeiro objetivo de um jogo que é se divertir.

    Mas isto de focamos mais em possuir tal console é pura perda de tempo pois passa o tempo e logo sai outro dai se você for refletir você vai ver quanto tempo perdeu de diversão.

  3. Lucas C. says:

    Uma vez eu meio que perdi um amigo por causa disso. Foi na época que ter um Xbox 360 era símbolo de status. Eu sempre ia na casa dele e ele na minha casa jogar um PS2 (Só eu tinha PS2, ele tinha um PS1 ainda mas mesmo assim era legal jogar os jogos que não dava no PS2) ou ficar de zuera no PC. Mas depois que o pai dele comprou um Xbox 360, eu senti essa ostentação, ele até brincou com isso falando "Vai morar aqui agora, né?". Digamos que nessa época eu era mais gamer do que otaku, então não via muitos animes, mas a coisa complicou quando eu passei a levar isso a sério. Os animes foi uma coisa que influenciou mesmo, mesmo assim, eu ficava me perguntando "Por que vou na casa dele? Por causa do Xbox? O que ele tem de bom? Gráfico?" Até hoje ele nunca comprou um 2nd joystick, ao menos assim daria pra gente se divertir.

    Enfim, acontece que hoje em dia eu não vou mais na casa dele pra jogar video-game, pra mim jogar jogos por gráfico ou por ter um visual legal se tornou um passa-tempo sem compromisso, ou seja, literalmente, só pra perder tempo. E não quero perder meu tempo jogando jogos pelo visual quando posso fazer várias outras coisas que aliás me divertem mesmo estando sozinho.
    Falando assim me veio uma questão à mente: Pra que serve um jogo?

    Só um detalhe, eu não sou gamer e nem esse meu amigo é, por isso não estou envolvido nessas brigas de "caixistas", "sonystas", etc etc, eu pego o que melhor se encaixa no momento.

  4. łuсααs says:

    quer a maior prova disso? todo mundo querendo comprar o ps4 no lançamento,reclamando que tá caro,sendo que não jogou nem a metade dos exclusivos do ps3.
    O cara não quer jogar,ele só quer o video game novo pra postar no istagram,do mesmo jeito que aconteceu com o GTA V,que todo mundo comprou e colocou foto pra td quanto é lado.
    PS:GTA V é overrated,a unica coisa que salva é a historia.

  5. Esquálido says:

    Ostentação é o prazer máximo do capitalismo. Todos os hobbies viram ostentações, futebol por exemplo, quantas vezes você nem sequer viu o jogo do seu time, apenas viu o resultado e no dia seguinte botou a camisa do time só para "gastar" o amigo do time rival. É assim com também com carnaval, religião, filmes, marcas e tudo que um dia já foi hobbie. Vídeo-games antes eram uma diversão simples, mas com o passar do tempo adquiriu essa importância mundial e sofreu desse mal, as redes sociais também possuem culpa nisso. Não culpo essas pessoas, esse tipo de comportamento é plantado nas nossas cabeças o tempo todo pela sociedade, para isso precisamos apenas refletir para que jogamos vídeos-games esquecendo qualquer influência externa e assim lembraremos da verdadeira diversão não importando se ela vem do Mario Bros do SNES ou do BF4. Pessoas tristes, possuem estragar a felicidade dos outros fingindo através da ostenção.

  6. anikei says:

    Verdade... O homem como um todo tem desejo pelo novo e atual, e acaba por desprezar os antigos pelo simples fato de os considerar ultrapassados. Eu conheço muitos assim.

  7. Anônimo says:

    Engraçado que eu li isso enquanto jogava FF6.
    Ultimamente a impressão que ando sentindo é que eu não tenho muito o que conversar com a galera gamer porque eu ainda estou nos jogos de ps1 e ps2 e isso me faz sentir que estou fora de moda, que sou antiquado, ou coisa parecida.

  8. Asakura_Mami says:

    Eu só tenho um Wii e um PS2 c: um console muito criticado por causa dos graficos, e outro "esquecido, ultrapassado". Não entendo por que todos criticam tanto o Wii. Os graficos não são la uma maravilha, mas da pra se divertir. Um exemplo disso é The Legend of Zelda :} depois de jogar esse, percebi que valeu a pena ter comprado meu wii. E agora eu resgatei meu Persona 3 de PS2, viciei novamente! Tem cada jogo ótimo para esses consoles, mas todos só querem falar de XBOX e PS3 no momento.. Ou senão querem criticar os consoles, e dizer que PC é melhor. Na minha opinião, todo console, e todo game é bom á sua maneira :} só falta as pessoas pararem de pensar em status e chamar a atenção, e voltarem a jogar games para se divertirem.

  9. heitor, cícero e prático says:

    Esse lance de poucos jogos é bem interessante mesmo. Sou mais um PS Vita com um único jogo, Persona 4 Golden (amo SMT), do que um XBOX360 com toda a sua biblioteca (nada contra quem gosta, mas seus exclusivos não me atraem). E agora, acabou de sair o anúncio de Persona 5 para PS3, e tem uma galera reclamando que não vai sair para PS4. LMFAO, fala sério. O que adianta um RPG com gráficos lindos e uma história fajuta (especialidade do tio sam)?

Leave a Reply